O destino da tartaruga marinha

 

 

As ameaçadas tartarugas-verdes, em suas longas jornadas pelos oceanos abertos, ainda encontram refúgios seguros para a reprodução. E alguns dos principais estão em águas brasileiras. O Atol das Rocas, a 270 quilômetros de Natal -RN, é um deles. Entre  os meses de novembro e maio, centenas de fêmeas da espécie sobem as praias de areia branca da ilha em busca de locais apropriados aos seus ovos e futuros filhotes. A cada temporada, são deixados ali cerca de quinhentos ninhos com, em média, 120 ovos cada um. Esses números fazem de Rocas o segundo maior sítio de reprodução da espécie no Brasil.

Fiz três viagens para Rocas com o objetivo de produzir a reportagem fotográfica para um livro sobre essa reserva biológica e para a matéria “Um berçário no Atlântico”, publicada na edição  de Março de 2001 de National Geographic Brasil. As tartarugas–verdes, claro, sempre estiveram na

A desova é um momento muito interessante. E comovente. Primeiro pelo esforço das fêmeas para arrastar seus corpos pesados sobre a areia fofa em busca do espaço ideal para o ninho, normalmente bem longe da água . Depois pela operação de cavar um buraco fundo com as patas traseiras. Tudo parece muito custoso para um animal essencialmente moldado para as águas abertas. Os olhos lacrimejam , a respiração fica ofegante, o corpo estremece. Dá vontade de ajudar. Passam horas até que os ovos começam a sair, um após o outro. Depois disso tudo , ainda tem o caminho de volta ao mar – uma etapa as vezes perigosamente surpreendente.

Numa manhã, eu andava pela praia muito cedo quando encontrei um rastro muito fresco de tartaruga. Ao voltarem para a água, depois da desova,  elas deixam marcas na areia parecidas como os sulcos dos pneus de um trator. Fui seguindo a trilha e, para minha surpresa, no final dela, na fronteira entre a areia e o recife raso, jazia deitada uma grande tartaruga-verde imóvel, encalhada , separada da liberdade do mar aberto por mais de 200 metros de recifes cortantes, completamente expostos pela maré baixa.  Depois soube que algumas tartarugas se demoram demais na desova e quando retornam ao mar a maré já esta baixa demais. Isso, em Rocas, pode ser fatal , já que as ilhas arenosas são totalmente cercadas por recifes rasos.

Para aquela fêmea,a próxima chance de atravessar o recife só viria em seis horas, na próxima maré alta. Não sabia exatamente o que esperar, ela conseguiria aguardar a subida da água  ou sucumbiria ao calor escaldante do sol equatorial, bem no meio do dia? Não tinha nada a ser feito, a não ser sentar e esperar. 

Fiquei ali molhando o casco do bicho enquanto a minha própria pele cozinhava sob o sol. Era triste ver aquele animal torrando na areia depois de tanto esforço para colocar seus futuros filhotes em lugar seguro. Mas, não posso negar, a oportunidade para registrar uma cena rara , de contar uma história interessante, também me seduzia. Resolvi correr para pegar a câmera subaquática, guardada na base de pesquisa, a meia hora de onde eu estava – embora na areia solta qualquer deslocamento pareça extremamente longo e cansativo.

As onze da manhã, água já batia no casco no animal  e percebi os primeiros movimentos mais vigorosos das nadadeiras. Ficou claro: ela estava bem e conseguiria nadar assim que a profundidade permitisse. Tratei de me posicionar na sua possível rota de escape; queria registrar a cena de frente e sabia que não teria muitas chances. Na água, as tartarugas são ágeis e conseguem nadar em velocidade. Optei por usar uma objetiva 16 mm na minha Nikon N90s ,  a melhor ferramenta disponível para captar a essência daquele momento : o animal imerso em seu ambiente , a água salvadora e os horizontes de possibilidades depois da superação de um obstáculo; a vida que segue seu curso.

Outras postagens

Fotografia

Atol das Rocas: dois mundos

“Ilha na proa!” O alerta agitou a pequena tripulação do veleiro. No mesmo instante, me  apressei pelo convés

Fotografia

Jacaré

“É jacaré!” Mal pude acreditar quando virei a cabeça em direção ao barulho na margem do rio .

Livros e publicações

A anta pelo mundo

Essa fotografia deu um trabalho enorme.  Mergulhos diários na água fria. Horas  e horas de pura paciência aguardando

Comentários

1 comentário sobre “O destino da tartaruga marinha

  1. “…e os horizontes de possibilidades depois da superação de um obstáculo; a vida que segue seu curso. ”
    Esse relato maravilhoso que nos faz sorrir, imaginar, vibrar, ainda consegue deixar uma mensagem que aponta para os desafios do cotidiano, com o otimismo e a resiliência de um incondicional defensor da vida. Que preciosidade!

Deixe um comentário