Atol das Rocas: dois mundos

“Ilha na proa!”

O alerta agitou a pequena tripulação do veleiro. No mesmo instante, me  apressei pelo convés cabaleante em busca de boa posição para avistar o destino da viagem. Para mim, seria um momento especial, o primeiro contato visual com uma ilha há muito sonhada. Desde adolescente cultivava o desejo de conhecer o Atol das Rocas, e nunca estivera tão perto. Curioso, me segurei nos estais e forcei os olhos no horizonte para logo ver o que o marinheiro Ceará, no leme, chamava de terra: uma quase imperceptível linha  branca entre a imensidão azul do oceano aberto e o céu.

Ver a terra surgir na água é uma das maiores emoções das longas viagens a vela. Depois do impacto da primeira impressão, embaçada pela distância, a paisagem vai tomando contornos nítidos, aos poucos, no ritmo ditado pelo vento. A imagem do lugar almejado, criada previamente no inconsciente, funde-se lentamente com o cenário real que cresce diante dos olhos. É como um encontro entre sonho e realidade.

Rocas está entre os menores atóis do mundo. Durante a maré alta seus recifes somem debaixo d’água e a porção emersa fica restrita a duas pequenas ilhas arenosas com três metros acima do nível do mar. Na ilha principal, a do farol, estão os poucos sinais da presença humana no local – as ruínas de um farol , seis coqueiros  e uma casinha de madeira, abrigo das equipes de quatro pessoas que se revezam na tarefa de cuidar de um dos principais refúgios da vida marinha no Atlântico.

Eu já sabia de tudo isso quando embarquei rumo à essa ilha única, mas só quando ancoramos diante dos recifes tive a noção real das dimensões do lugar. A cada descida do barco entre as ondas, a paisagem toda – incluindo os coqueiros plantados como alerta aos navegantes – sumia completamente. Uma visão preocupante para quem desembarcaria para longa estada ali. Seriam vinte dias de isolamento total, sem barco, sem sombra, sem nascentes de água doce. Me sentia como um náufrago voluntário. E ao mesmo tempo feliz da vida por estar ali.

Fiz muitas fotografias a partir do veleiro, de longe, tentando registrar essa sensação,  mas consegui só registros literais, descritivos. A imagem capaz de transmitir essas emoções conflitantes acabou surgindo ali mesmo na laguna do atol, a 20 metros da casinha. Eu procurava os filhotes de tubarão-limão freqüentadores daquelas águas rasas, e depois de horas no mar sem ter feito foto alguma, desisti dos peixes e comecei a reparar na paisagem ao redor. Então, olhando rente à superfície, em direção à praia, notei que só podia ver a casinha, água e nuvens.

“É isso, estar no atol para mim é exatamente isso”, pensei. 

Fiquei de pé com a água na altura do queixo e posicionei a lente da câmera parcialmente submersa, com a parte de baixo da composição dominada pelo mar, cristalino e soberano; e a parte de cima focada na casinha, símbolo da frágil presença humana naquele ponto isolado do oceano.

Na imagem instantânea, a fusão de dois mundos de fronteiras incertas, como num encontro entre sonho e realidade.

Outras postagens

Biomas

O destino da tartaruga marinha

    As ameaçadas tartarugas-verdes, em suas longas jornadas pelos oceanos abertos, ainda encontram refúgios seguros para a

Fotografia

Jacaré

“É jacaré!” Mal pude acreditar quando virei a cabeça em direção ao barulho na margem do rio .

Livros e publicações

A anta pelo mundo

Essa fotografia deu um trabalho enorme.  Mergulhos diários na água fria. Horas  e horas de pura paciência aguardando

Comentários

3 comentários sobre “Atol das Rocas: dois mundos

  1. Cada experiência compartilhada por esta via, traduz em uma prestação de serviço pautada na democratização do acesso ao conhecimento como informação, pois, considerando o conteúdo sempre e cada vez mais presente e urgente na sociedade (o da preservação), vc desperta pela curiosidade e espírito de aventura o interesse das pessoas, independente do status, grau de instrução. Este profícuo trabalho culmina, de forma agradável e não menos complexa por isto, na conscientização da natureza em sua esplendorosa diversidade, pois, ao vivenciar o zelo por ela com a alma e o seu talento, nos envolve, nos toca para que, mesmo com tanta singeleza e condição de aprendiz, queiramos discipular e realizar junto. Como alguém que passou a infância no sítio de uma avó índia, que vibrava nas manhãs em que corria pela estrada de terra, sentindo o vento no rosto e ouvindo o som das canas se alvoroçando, com destino ao mar, esperando os pescadores chegarem com os cestos cheios de peixes frescos; posso com inteireza de coração, imergir neste universo que vc defende, cataloga e vislumbra, sob legitimidade de quem se reconhece parte dele. Sigamos! Grata!

Deixe um comentário