PANTANAL_MT_NORTE_0716_1329
Amphibians_reptiles_HIRES_
_LCF0069
37_LC_WPY_6_RC_Simples
_MG_5424_capa_simples
_DSC7315
_DSC6524_10_extendida
GALERIA_PANTANAL_4
GALERIA_PANTANAL_19
Amphibians_reptiles-7_HIRES
GALERIA_PANTANAL_3
83_PANTANAL_MS_1110-1260_simples
122_123_RC_S_extendida
90-91_PANTANAL_MS_1110-1417_extendida
GALERIA_PANTANAL_9
_LCF9820
GALERIA_PANTANAL_12
GALERIA_PANTANAL_13
GALERIA_PANTANAL_14
GALERIA_PANTANAL_16
GALERIA_PANTANAL_17
GALERIA_PANTANAL_18
GALERIA_PANTANAL_20
GALERIA_PANTANAL_21
GALERIA_PANTANAL_22
GALERIA_PANTANAL_23
GALERIA_PANTANAL_26
GALERIA_PANTANAL_28
GALERIA_PANTANAL_29
GALERIA_PANTANAL_31
GALERIA_PANTANAL_32
_DSC7042_31_extendida
138_139_PANTANAL_MS_1008_00584_extendida
PANTANAL_RIO_NEGRO_MS_0410-2706
_LCP4341
_LCP6985
_LCP3243

No Pantanal, maior planície inundável do planeta, a água dita o ritmo da vida. Ao subir , abastecido pelas  chuvas do verão, o Rio Paraguai e seus afluentes transbordam para as grandes extensões de terras baixas ao redor . A paisagem muda abruptamente. Campos verdes de gramíneas transmutam-se em rios temporários. Plantas aquáticas coloridas brotam  do chão. De súbito, aparecem jardins submersos habitados por miríades de peixes . Atraídos pelo alimento fácil, Jacarés se posicionam de bocarra aberta,  para fartarem-se nos cardumes passantes. Nessa imensidão inundada, outras espécies, como onças , catetos e veados seguem para o exílio sazonal nas matas de capões e cordilheiras – na planície quase sem declive, pantaneiro chama de cordilheira as áreas ligeiramente altas e quase imunes ao avanço da cheia.  Mas mesmo esses animais de ambientes secos, em alguma medida, frequentam a água. Nadam, mergulham, flutuam. O cavalo pantaneiro mata a fome com o capim submerso. Todos, bichos e até homens, são meio anfíbios quando a grande planície do Brasil central  vira um mar interior.

Outras Galerias